Programação
Rhizottome
O duo Rhizottome nasceu em 2008, do encontro de dois instrumentos: um saxofone, de Matthieu Metzger, e um acordeão diatónico, de Armelle Dousset. Matthieu é um músico versátil e Armelle toca acordeão diatónico e vem da dança contemporânea.
Trazidos pelas melodias tradicionais, neo-trad e músicas clássicas, este duo tem vindo a criar o seu próprio caminho, conquistando públicos em palcos de teatros e de festivais de diferentes países. A sua música é marcada pela reinterpretação da tradição. São composições originais que nascem num profundo processo criativo, revelando territórios íntimos para conquistar. A música de Rhizottome é um jogo, entre a energia da improvisação e a escuta, que torna todas as danças possíveis. Duas sensibilidades quase opostas, que tocam a doçura e a violência através de instrumentos que conversam, aprendem e constroem novas histórias e novas danças.
Este duo está a meio caminho entre a tradição e a modernidade, e é neste posicionamento que percorrem improvisações, no seio da sensibilidade, onde o ponto se encontram para desvendar histórias misteriosas.

Horário

Terça \ Tuesday
Horário: 01:00 até 02:30
Espaço: Palco Horizonte
Actividade: Baile
Quinta \ Thursday
Horário: 00:00 até 01:30
Espaço: Palco Terra
Actividade: Baile
Biografia
Armelle Dousset vem de uma licenciatura em Artes, Cinema e Espetáculo, na Universidade de Poitiers. Depois disso, juntou-se ao curso de coreografo. Paralelamente foi desenvolvendo o seu percurso musical no acordeão, ao mesmo tempo que continua a praticar piano, o instrumento que segue desde os cinco anos de idade. Intérprete para a dança e teatro com Alain Buffard, Olivier Normand, o GdRA, La Cavale, L'Encyclopédie de la parole, continua o seu caminho musical com Rhizottome, Metamek, Vingt Doigts e Dame Dissa Dame Dousset et moi . Em 2009, em Kyoto, criou Haigorei, uma forma performativa curta, que mistura a expressão corporal, referências de cinema e a composição musical. Em 2015 venceu Villa Kujoyama com Rhizottome, perseguindo uma relação emocional e artística com o Japão. Movimento. Ouvido. Vulnerabilidade. Através desta carreira eclética, ela nunca deixa de olhar para estas questões para pensar que terminam na dança e por vezes se tecem na música.
Matthieu Metzger fez 16 anos de estudo de saxofone ano com Philippe Di Betta, com quem desenvolveu o gosto pela música além da estética. O seu interesse na análise musical vem da Universidade de Poitiers na obtenção do grau de mestre com "Meshuggah, formação de metal atípico".
Mattiew está envolvido em projetos de música contemporânea, Mandingo, dança ou o coletivo Klonosphere. Juntou-se, em 2008, ao quinteto Louis Sclavis e logo depois à Orchestre National de Jazz. Outras formações vão emergindo: François Sarhan, Ictus, Amarillis, Denis Charolles, Paul Brousseau...
Atraídos tanto pelo aspecto poético da música como pelos meios para trazê-lo à vida. Mattiew vai se desenvolvendo enquanto músico autodidata, desenvolvendo competências com instrumentos eletrónicos, incluindo a realização dos álbuns Marc Ducret Torre, ou aqueles de Rhizottome.

Organização:
A PédeXumbo é uma Estrutura Financiada por:
Em colaboração com:
Parceiros Locais:
Parceiros de Programação:
Parceiros de Mobilidade Sustentável:
Parceiros de Comunicação:
Rádio Oficial:
Parceiros: